A segurança alimentar é um pré-requisito fundamental no qual se baseia cada fase do processo de produção e distribuição da INALCA. A longa presença da INALCA em mercados particularmente exigentes deste ponto de vista, como por exemplo União Européia, Federação Russa, EUA, Canadá e Japão, e a adoção das principais normas voluntárias de segurança alimentar permitiram à INALCA desenvolver ao longo do tempo as mais modernas e avançadas técnicas de higiene e prevenção dos riscos alimentares e um sistema de gestão integrado que abrange todas as unidades de produção do Grupo.

Download da Certificação 9001
Download da Certificação UNI ENI ISO 14001
Download da Certificação IFS Castelvetro
Baixar Certificação IFS Ospedaletto
Baixar Certification IFS Pegognaga
Download da Certificação IFS Rieti
Download da Certificação IFS Realbeef
Download da Certificação IFS Capo d'Orlando
Download da certificação ISO 17025 da Accredia
Download da certificação ISO 45001

Medidas de segurança alimentar

O conjunto de todas estas medidas pode ser genericamente definido como “Autocontrole”, sendo implementado através de ações de natureza geral e específica, ambas sistematicamente aplicadas para o controle completo e constante da atividade produtiva.
As “medidas de natureza geral” são representadas por normas comuns que se aplicam a todas as áreas de processamento e são inerentes à higiene dos operadores, das instalações, dos equipamentos, dos processos e dos produtos, bem como às ações de verificação da aplicação dessas normas. Estas medidas têm como objetivo assegurar a manutenção e controle das condições higiênicas adequadas do pessoal operacional, dos processos, dos produtos, do ambiente e dos equipamentos. As “medidas de natureza específica” são definidas para cada tipo de processo produtivo e visam identificar, avaliar e controlar perigos específicos de natureza biológica, química e física, considerados importantes para a segurança alimentar dos produtos. Os perigos são avaliados de acordo com os princípios estabelecidos quer pela legislação européia, ou de outros países de destino dos produtos, quer pela OMS/FAO, geralmente designado de “Codex Alimentarius”.

Identificação e rastreabilidade dos produtos

O sistema no seu todo baseia-se por isso na identificação, no âmbito de cada processo de fabrico, dos pontos de controle críticos e prevê as ações necessárias para identificar, eliminar ou reduzir a um nível aceitável os perigos significativos para a segurança alimentar. O controle e precisão das informações geridas no sistema empresarial de identificação e rastreabilidade dos produtos constitui um elemento fundamental para apoiar a eficácia de qualquer ação implementada para a qualidade, segurança alimentar e comunicação ao consumidor. Tal como acontece com a segurança alimentar, também no domínio da rotulagem e comunicação ao consumidor a INALCA é sujeita a controles externos com vista a verificar a veracidade, transparência e acessibilidade das informações relativas a produtos colocados no mercado.

Adoção de normas técnicas voluntárias

O sistema implementado pela INALCA para a qualidade e segurança alimentar está conforme as principais normas internacionais voluntárias na matéria, uma verdadeira linguagem comum adotada à escala internacional que, com base em controles independentes, confirma a eficácia das ações aplicadas pela INALCA neste domínio.

Os princípios fundadores da política de qualidade

A INALCA aborda o tema da segurança alimentar através de um sistema articulado de regras e procedimentos com vista a definir, gerir e controlar as suas normas a todos os níveis da cadeia de abastecimento. Para assegurar a adequação técnica dos seus sistemas de controle, a INALCA promove a nível interno e ao longo de toda a cadeia de produção o uso de normas técnicas internacionais voluntárias.

Princípio da centralidade

Um nível ótimo de segurança alimentar é considerado um pré-requisito para todas as produções da empresa e é avaliado usando as metodologias de análise do risco.

Princípio da demonstrabilidade

Todas as atividades e processos empresariais que possam influenciar a segurança alimentar devem ser geridos, monitorados e documentados, segundo uma hierarquia definida de referências: leis e regulamentos, normas técnicas internacionais, requisitos específicos das empresas que utilizam os produtos da empresa.

Princípio da governança

As figuras específicas e o sistema de governança da segurança alimentar são claramente identificados e formalizados.

Princípio da transparência

As informações sobre segurança alimentar devem ser claras, compreensíveis e acessíveis por clientes, consumidores e autoridades de controle.

Princípio do controle

Nos critérios de controle, a empresa utiliza atividades de auditoria interna, auditorias externas a empresas clientes e, quando aplicável, auditorias de certificação segundo normas técnicas voluntárias e de entidades internacionais independentes.